Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Construção já criou 112 mil empregos em 2020

A indústria da construção brasileira fechou 43.032 empregos em dezembro, depois de seis meses de abertura de novas vagas. Ainda assim, o saldo entre admissões e demissões no setor no acumulado do ano encerrou positivo. De janeiro a dezembro, a construção criou 112.174 vagas, um aumento de 5,18%. Foi novamente o setor que gerou o maior número de empregos nestes 12 meses, seguido pela indústria (+95.588 vagas), agropecuária (+61.637), comércio (+8.130) e serviços (-132.584).

Os dados são do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foram divulgados em 28 de janeiro pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

De acordo com Odair Senra, presidente do SindusCon-SP (Sindicato da Construção), “como costuma ocorrer sazonalmente, o emprego na construção cai em dezembro. A tendência é o setor retomar o ritmo das contratações a partir de janeiro, com o início das novas obras já contratadas. Considerada essencial desde o início da pandemia, a construção seguirá em plena atividade, com rigorosa observância dos protocolos sanitários nos canteiros de obras.”

Estoque
Ao final de dezembro, a construção empregava 2.279.099 trabalhadores com carteira assinada no país.

Já o saldo entre admissões e demissões entre todos os setores da atividade econômica no país resultou no fechamento de 67.906 empregos em dezembro. Mesmo assim, pelo segundo mês consecutivo desde o início da pandemia, houve um saldo positivo no acumulado do ano: a abertura de 142.690 vagas.

Por Estados
Das vagas encerradas pela construção em dezembro, 4.194 registraram-se no Estado de São Paulo.

Além de São Paulo, os Estados que mais empregos fecharam no setor no mês foram Minas Gerais (6.906), Pará (4.147), Bahia (3.443), Paraná (3.624), Santa Catarina (2.971), Goiás (2.506) e Rio de Janeiro (2.254). 

Matéria publicada no Sinduscon-SP