Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Para as siderúrgicas, não faltará aço

O risco de uma segunda onda da pandemia da Covid-19 não é visto com preocupação por representantes da indústria do aço, que, em encontro com o presidente Jair Bolsonaro, descartaram o risco de desabastecimento do produto, apesar de queixas recentes de clientes, principalmente, de empresas da construção civil.

Na avaliação do presidente do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes, e do presidente do Conselho Diretor da entidade, Marco Faraco, o setor opera ainda com ociosidade de 68%.

"Há zero possibilidade de desabastecimento. A nossa capacidade instalada é de 51 milhões de toneladas e trabalhamos com um grau muito baixo. A prioridade é abastecer o mercado interno. Infelizmente, ele não demanda o que é necessário para as empresas terem um grau maior de utilização da capacidade", afirmou Polo.

Faraco admitiu a existência de problemas na cadeia de distribuição de aços longos e planos, mas afirmou que a oferta e a demanda deverão se ajustar "em algumas semanas".

Ele acrescentou que, para operar de forma sustentável, o setor deveria trabalhar com utilização de 80% da capacidade, algo que poderia ser incrementado se houvesse avanço nas obras de infraestrutura previstas no Programa de Parceira de Investimentos (PPI).

De acordo com Faraco, as vendas de laminados em novembro estão quase 30% acima da média mensal de antes da pandemia e, portanto, o processo de retomada está forte, em ritmo de um verdadeiro V.

Para este ano, a entidade prevê queda de 5,6% na produção de aço bruto, na comparação com 2019, para 30,7 milhões de toneladas. A expectativa é da volta de um crescimento em 2021, de 5,3%.

Na avaliação dos executivos, se houver uma segunda onda da Covid-19, ela será diferente da primeira, uma vez que há mais conhecimento sobre o novo Coronavírus e os índices de isolamento social deverão ser menores.

Polo, entretanto, reconheceu que existem sinais de desaquecimento no quarto trimestre, em meio ao aumento do contágio no país, mas descarta a repetição de níveis de paralisação das fábricas alcançados em abril. "A gente está vendo sinais de piora em diferentes regiões, mas estamos setorialmente preparados", afirmou.

Matéria publicada na Grandes Construções