Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Pré-fabricado permite construir prédio mais barato de Berlim

Em Berlim, na Alemanha, o m2 de um apartamento nos bairros centrais da cidade não custa menos que 5.700 euros, o que equivale a quase 39 mil reais. Já nas regiões mais afastadas da capital alemã, o m2 gira em torno de 3.500 euros, aproximadamente 24,5 mil reais. Trata-se de uma das cidades europeias mais caras para se morar, a ponto de, recentemente, o governo alemão ter determinado o congelamento dos preços dos aluguéis até 2022 ou enquanto durar a pandemia de COVID-19. Estima-se que 85% da população de quase 4 milhões de habitantes de Berlim viva de aluguel. Mas graças ao pré-fabricado de concreto, isso começa a mudar.

Um prédio-protótipo de 6 pavimentos, que pode servir tanto para abrigar escritórios quanto moradias, foi construído ao preço de 1.500 euros o m2, o que equivale a 9.555 reais. A edificação é toda com estruturas pré-fabricadas e o proprietário tem a opção de dividir o espaço com paredes de drywall, seguindo um conjunto de plantas sugeridas pelos arquitetos e projetistas do Studio FAR (Frohn And Rojas). “A pré-fabricação industrial oferece o benefício da construção em série. Isso gera economia de custos e prazos de construção mais curtos. Portanto, atende requisitos importantes para a construção de habitações”, dizem os arquitetos-chefes Marc Frohn e Mario Rojas Toledo.

O edifício foi montado em 6 semanas e concluído em dezembro de 2019. Batizado de Wohnregal, em 2020 passou a concorrer a uma série de prêmios europeus de arquitetura e construção industrializada. O prédio conseguiu o recorde de ser a construção mais rápida e mais barata de Berlim. Todas as suas unidades foram vendidas antecipadamente, cada uma medindo entre 35 m2 e 110 m2. “Com o Wohnregal buscamos o máximo da otimização das estruturas pré-fabricadas e, com isso, mostrar o quanto é econômico utilizar essa tecnologia”, reafirmam os arquitetos.

Construção brutalista com pré-fabricados de concreto se espalha pela Europa
O prédio de Berlim não é o único exemplo de construção brutalista usando pré-fabricados de concreto. O conceito se espalha pela Europa. Em Portugal, no Vale da Cambra – região conhecida como a “Suíça portuguesa” -, um conjunto de casas foi concebido com base em projeto semelhante, idealizado pelo Studio Summary. “O material predominante é o pré-fabricado bruto, sem necessidade de acabamento. Nem no interior nem no exterior das edificações. Isso contribui para a redução de custos e para a supressão de materiais e de mão de obra”, ressalta a arquiteta Inês Vieira Rodrigues, que fez a gestão da obra.

O edifício construído em Berlim e as casas em Portugal concorrem ao Dezeen Awards 2020, um dos mais relevantes prêmios de arquitetura da Europa. Eles competem com o prédio de 100 apartamentos construído em Nantes, na França, para atender o plano de habitação social da cidade. O edifício de 12 pavimentos foi executado em alvenaria estrutural, utilizando blocos de concreto antissísmicos. Os escritórios franceses Tectône e Tact Architectes conceberam o projeto. Os vencedores das várias categorias do Dezeen Awards 2020 serão conhecidos de 23 a 25 de novembro.

Matéria publicada no Massa Cinzenta