Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Canteiros de obras resistem ao aumento da contaminação

Os casos suspeitos de contaminação pela doença nos canteiros de obras aumentaram ligeiramente de 0,11% para 0,21% do número de trabalhadores; e os confirmados oscilaram de 0,05% para 0,06%. Os dados são da 34ª Pesquisa “Conhecendo as Ações das Construtoras Paulistas no Combate à Covid-19”, realizada semanalmente por SindusCon-SP e Seconci-SP (Serviço Social da Construção).

A incidência de casos em relação ao total dos trabalhadores segue baixa, na comparação com o aumento expressivo do número geral de casos no Estado, observam Odair Senra, presidente do SindusCon-SP, e Haruo Ishikawa, presidente do Seconci-SP. “O momento é muito preocupante diante da escalada da doença, e os canteiros de obras seguem agindo de forma correta, reforçando diariamente o rigor nas medidas de prevenção”, comentam.

Nesta 34ª rodada, foram obtidas respostas de 41 empresas, responsáveis por 528 obras, envolvendo 34.633 empregos diretos e terceirizados, de 7 a 13 de janeiro. Principais resultados da 34ª Pesquisa:

0,21% afastados por suspeita de Covid-19;
0,06% afastados por confirmação da doença;
527 obras em andamento e 1 parada;
98% do pessoal estão em atividade;
100% das empresas adotam medição de temperatura e higienização das mãos, dão orientações diárias sobre prevenção, e higienizam e realizam demarcações em áreas de vivência;
98% orientam sobre limpeza dos Equipamentos de Proteção Individual e afixam informativos impressos sobre a Covid-19 nos locais de circulação;
95% fornecem máscaras para o transporte;
93% fornecem máscaras para utilização na obra, realizam limpeza de EPIs e ferramentas e instituem horários escalonados para entrada, saída e refeições;
88% realizam outras práticas para a prevenção da contaminação entre os trabalhadores e a comunidade e distribuem informativos eletrônicos de orientação.

Matéria publicada no Sinduscon-SP