Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

SindusCon-SP: Construção deve apresentar retração de -2,5% em 2020

O PIB (Produto Interno Bruto) da construção brasileira deverá fechar o ano de 2020 com variação negativa de -2,5% na comparação com 2019. Em 2021, a construção deverá crescer 3,8%. As projeções foram apresentadas pelo presidente do SindusCon-SP, Odair Senra, e pelo vice-presidente de Economia da entidade, Eduardo Zaidan em entrevista coletiva virtual à imprensa no dia 1º de dezembro.

Segundo o presidente, uma grande preocupação do setor é o aumento dos preços dos materiais de construção que já estão refletindo nos custos das obras e a expectativa é que esse impacto avance pelo primeiro trimestre de 2021, podendo refletir na retomada do setor e consequentemente no nível de empregos. 

A coordenadora de Projetos da Construção da FGV, Ana Maria Castelo, também participou do encontro. De acordo com a Sondagem da Construção da FGV/Ibre, todos os indicadores da média do índice de atividades mostram a retomada da construção, mas ainda irão apresentar variação negativa no ano.

O total de empregados com carteira assinada no setor em outubro de 2020 é de 2.305.334, o que representa um saldo líquido no ano até outubro (admissões – demissões) de 138,4 mil trabalhadores. Na variação em 12 meses, no acumulado do ano até outubro, as vendas de cimento cresceram 10,1% comparado ao mesmo período do ano passado.

O volume de vendas de materiais de construção no varejo acumula alta de 7,8% no ano, enquanto a produção tem queda de 4,7%.

2021
Entre as principais ameaças para o setor em 2021, a situação fiscal do país é a mais relevante somada à ausência de reformas. “Essas lacunas nos levam a uma expectativa de baixo crescimento no próximo ano, o que está diretamente ligada à lenta recuperação do mercado de trabalho e da renda”, afirma Zaidan.

Além disso, para o vice-presidente do SindusCon-SP, o cenário para 2021 aponta uma nova onda global da Covid-19, que desencadeará uma recuperação frágil da economia mundial impactando diretamente nos principais indicadores econômicos. 

Covid-19 no Estado de São Paulo
Embora não totalmente imunes, os canteiros de obras continuam resistindo ao expressivo crescimento do número de casos de Covid-19 no Estado de São Paulo. É o que mostra a 29ª Pesquisa “Conhecendo as Ações das Construtoras Paulistas no Combate à Covid-19”, realizada semanalmente por SindusCon-SP e Seconci-SP.

Os casos suspeitos oscilaram de 0,08% para 0,10% do número de trabalhadores; e os confirmados, de 0,04% para 0,05%.

O canteiro de obras continua sendo um local que possibilita medidas eficazes de controle da doença, observa o presidente do SindusCon-SP. 

Nesta rodada, foram obtidas respostas de 41 empresas, responsáveis por 522 obras, envolvendo 34.618 empregos diretos e terceirizados, de 19 a 25 de novembro.

A íntegra da análise elaborada pelo SindusCon-SP e pela FGV/Ibre está disponível aqui.

Matéria enviada pela assessoria de imprensa do Sinduscon-SP