Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Abcic Networking VII traz análise da economia e do setor da construção

A cadeia produtiva do pré-fabricado de concreto se reuniu no dia 29 de janeiro para participar do Abcic Networking VII. O encontro contou com duas apresentações: da economista Ana Maria Castelo, da Fundação Getulio Vargas, sobre “Aspectos que poderão interferir num novo ciclo de crescimento da construção civil”, e da Informa Markets sobre a realização da nova edição do Concrete Show. 

De acordo com a engenheira Íria Doniak, presidente executiva da Abcic, a proposta de ter uma palestra sobre uma avaliação da economia e do setor da construção é, justamente, contribuir para o planejamento e estratégia de negócios de nossos associados. No caso do Concrete Show, o objetivo foi levar as informações sobre as atrações e novidades da feira, uma vez que a Abcic sempre teve uma participação atuante e efetiva no evento. 

Durante seu discurso de abertura, Íria destacou a participação da Abcic em diversas iniciativas, lideradas por entidades do setor da construção e por diferentes instâncias do governo, com a finalidade de desenvolver a industrialização na construção. Uma dessas ações foi a publicação de um encarte, explicando os benefícios da industrialização, que foi divulgado na edição 18 da Revista Industrializar em Concreto.

Segundo Guilherme Philippi, vice presidente do Conselho Estratégico da Abcic, o Networking é um evento consagrado do setor, por possibilitar a interação entre toda a cadeia produtiva com conteúdo muito qualificado. “Isso valoriza e fortalece nosso setor”, afirmou.  

A economista Ana Castelo iniciou sua palestra com uma análise do setor da construção em 2019. O PIB (Produto Interno Bruto) do segmento apresentou uma alta de 2% ante 2018. “Esse crescimento marcou o fim de uma queda de cinco anos de retração na área”, enfatizou. No caso do emprego com carteira, das 644 mil vagas geradas no ano passado, 11% estão relacionadas à construção, o que resultou em um aumento de 1,86% de empregos no segmento ante 2018. A área de projetos foi a que mais contribuiu com a geração de trabalho, com alta de 7,34%, seguida por preparação de terrenos, com 1,82%.

Outro dado positivo para o setor foi a Sondagem da Construção que, desde maio de 2016, apresenta um viés positivo, com a subida de 23,3 pontos. “Porém, ele ainda está 16 pontos abaixo do nível de neutralidade”, alerta a economista. “No entanto, podemos afirmar que existe uma percepção no mercado de que o pior ficou para trás”.

Para 2020, a projeção de Ana Castelo é que tanto o PIB como o emprego na construção tenham expansão, de 3% e 3,5%, respectivamente. “Esse percentual estaria acima do PIB nacional, cuja estimativa é de 2,3%”, contou. Em sua previsão, há a expectativa de um aumento no ritmo do crescimento no setor imobiliário e um investimento em infraestrutura impulsionado pela recuperação cíclica da economia, confiança em alta dos empresários e redução do custo do capital. 

Mesmo assim, é preciso dosar o otimismo, segundo a economista da FGV, porque ainda existem fatores que podem interferir na economia nacional e, consequentemente, no setor da construção, como por exemplo, as incertezas do cenário externo, a situação fiscal crítica da União e de estados e as eleições municipais. Em contraponto, há também fatores positivos que podem contribuir para que o cenário estimado seja confirmado, como a inflação abaixo da meta, a baixa da taxa de juros real, o crescimento do emprego e da renda e a confiança em alta dos empresários.

Na conclusão de sua apresentação, Ana Castelo reforçou que existem oportunidades na área imobiliária porque existe uma alta demanda habitacional e ressaltou a importância de se ter um maior investimento do PIB em infraestrutura. “Para garantir um crescimento sustentado o país precisa investir 4,15% do PIB por aproximadamente duas décadas”, explicou. 

Sobre a avaliação de Ana Castelo, Guilherme Philippi, da Abcic, concorda com o que foi apresentado na palestra porque é possível ver no setor um aumento da produção e das vendas, porém ao mesmo tempo as margens ainda não melhoraram. “Isso é um sintoma de que a economia está uma recuperação, lenta e gradual. No entanto, o cenário para este ano é positivo, então precisamos olhar o copo meio cheio”, disse.

Hermano do Amaral Pinto Jr, diretor de portfólio da Informa Markets, trouxe explicações sobre a estrutura da organizadora do evento, informando que na área de infraestrutura há três eventos, incluindo o Concrete Show, que está previsto para acontecer entre os dias 11 e 13 de agosto, no São Paulo Expo. 

Especificamente sobre a feira, Marcia Gonçalves, gerente de portfólio de infraestrutura da Informa Markets Brasil, informou que o tradicional evento do setor da construção deve contar com 350 marcas nacionais e internacionais e receber mais de 17,5 mil visitantes. “Estamos fazendo um esforço para aumentar o número de profissionais vindos da América Latina. Ano passado, por exemplo, fomos à bauma. E neste ano iremos a World of Concrete. Além disso, estamos trabalhando as parcerias regionais para ampliar a representatividade e segmentação”, disse.

Marcia adiantou que o programa de conteúdo será promovido no mezanino do São Paulo Expo, local com uma estrutura para a realização de eventos de conhecimento. “Entre as temáticas esperadas para serem tratadas na feira estão a inovação tecnológica, sustentabilidade e liderança”.

O evento terá como atrações o Concrete Congress, que contará com a realização de cursos e seminários promovidos pelas associações e instituições, a Arena 120 ideias, com palestras gratuitas, a Galeria da Concreto, a Megademo, um espaço na área externa destinada a demonstrações de máquinas e equipamentos, e a premiação Concrete Show, ABCP e Projepar, voltada aos estudantes de arquitetura e urbanismo. 

Em sua apresentação, Marcia ressaltou a importância da parceria estratégica da Abcic no evento. Por isso, a Informa Markets convidou a entidade para ter um estande institucional. Com isso, ganhar mais representatividade dentro da feira, além de ter um local para receber seus associados e visitantes. 

Os dirigentes da Abcic ainda agradeceram a presença dos associados e de representantes de entidades parcerias: Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural (Abece), Associação Brasileira de Empresas de Engenharia (Abef), Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI), Instituto Brasileiro do Concreto (Ibracon) e Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração (Sobratema).

A cobertura completa sobre o Abcic Networking VI será divulgada na edição 19 (abril) da Revista Industrializar em Concreto