Associação Brasileira da Construção

Industrializada de Concreto

Pesquisa semanal ABRAINC Canteiros de Obras mostra como empresas estão atuando durante a crise de Covid-19 I

A Abrainc realizou entre os dias 04 e 05 de junho a 11ª Pesquisa junto a suas Associadas para mostrar como está o andamento das obras e os procedimentos que estão sendo realizados nos canteiros para proteger os funcionários dos efeitos do Coronavírus (Covid-19). A amostra contém 36 empresas (em todas as pesquisas) e representa grande parte das maiores incorporadoras do Brasil.

Abaixo a compilação dos dados:

 

CONCLUSÕES 

  • 58 mil trabalhadores seguem ativos nos canteiros de obras.
  • Percentual de obras paradas se reduziu a 3%, grande parte por restrições locais.
  • Dos 58 mil funcionários ativos, o número de trabalhadores recuperados é de 867 (1,48%).
  • Os casos suspeitos ativos representam 0,9% (551) e infectados ativos 0,54% (314).
  • O número atual de casos de internação hospitalar reduziu a 4 (0,01%), e seguem com acompanhamento pelas empresas.
  • Não houve reporte de novos óbitos pela 2° semana seguida. O número total acumulado se mantém em 8 (0,01%).
  • 100% das empresas estão adotando medidas para proteger os funcionários.
  • 100% das empresas não permitem a entrada de funcionários com sintomas ou pertencentes ao grupo de risco e medem a temperatura na entrada e saída.
  • 100% reforçaram os procedimentos de higiene, adotaram horários escalonado de almoço e de vestiário para evitar aglomeração.
  • 100% já fornecem máscaras para o transporte dos funcionários (trajetos casa-trabalho e trabalho-casa) e máscaras extras nas obras, além das obrigatórias exigidas devido ao risco ocupacional (EPI).
  • Por último, 19% está adotando um procedimento de transporte especial nos locais em que não há disponibilidade e/ou eficiência no transporte público.

Podemos ainda destacar que a idade média dos trabalhadores em canteiro de obra é de 35 anos. Além disso, as atividades são sempre realizadas em espaço aberto e em geral com bom espaçamento.

Seguiremos com a pesquisa e o monitoramento nas próximas semanas para cada vez mais adotar as melhores práticas que permitam a continuação das atividades sem riscos aos trabalhadores e à sociedade.

Acompanhe os dados das pesquisas anteriores publicados em nossos newsletters:

Matéria publicada na Abrainc